Recrutando no mundo da tecnologia

Diante do cenário atual (tecnológico, econômico, pandêmico) e o choque de gerações no ambiente de trabalho, a informação e o bom uso dessa é essencial para negócios de sucesso.

Nos aspectos da tecnologia da informação, que não se trata somente de uma questão de poder de processamento e sofisticação de software e hardware, mas sim da habilidade para transformar a imensa massa de dados operacionais de uma empresa em informações consistentes que agreguem valor ao negócio. O mercado de trabalho de tecnologia experencia uma situação ímpar de oferta no mundo devido ao processo de virtualização em massa dos negócios tradicionais.

Com isso as empresas precisam se adequar às mudanças e encontrar pessoas qualificadas e dinâmicas, que auxiliem de forma eficiente no dia-a-dia de sua operação. São os analistas de informação, gestores de informação, designers e desenvolvedores de software que atuam na área de soluções e serviços de tecnologia.

A área de recrutamento e seleção assume um papel de extrema importância dentro das organizações, pois facilita o ingresso de novos profissionais de forma eficiente. Portanto, saber escolher este profissional de tecnologia exige técnicas específicas e conhecimento do mundo deles.

Deve-se investir no recrutamento através de práticas que consigam tais qualificações requeridas, sendo uma das estratégias denominada employer branding. Trata-se de um conjunto de benefícios psicológicos, econômicos e funcionais que os profissionais associam ao trabalho de uma determinada organização para criar uma marca atrativa e competitiva.

Outra estratégia é recrutamento on-line que se dá em três estágios (atrair, selecionar e abordagem imediata mediante as diversas ferramentas de comunicação entre redes profissionais e sociais). Faz-se necessário que o recrutador de tecnologia tenha feeling para verificar rapidamente os bons candidatos, possua uma abordagem assertiva, dotada de conhecimento do projeto, ambiente e possibilidades financeiras.

Vale ressaltar que a retenção também é uma estratégia de significativa importância no ambiente tecnológico. A saída de um profissional qualificado está associada à diminuição da criatividade e da inovação organizacional, à descontinuidade dos projetos, perda de habilidades, conhecimento e experiência acumulados na organização.

No geral, independente das diferenças das gerações, estes profissionais valorizam o equilíbrio entre vida pessoal e trabalho, horários de trabalho flexíveis, oportunidade de crescimento e mentoria.

Choque de gerações

Há 4 grupos geracionais coexistindo no ambiente de trabalho: Baby Boomers, Geração X, Geração Y e Geração Z.

São perfis diferentes, pessoas diferentes que possuem expectativas diferentes. É necessário conhecer tais expectativas para desenhar modelos que se aproximem dessas a fim de elaborar propostas, políticas e mecanismos que possam agregar, entrar em sintonia com as expectativas e necessidades dos profissionais.

A primeira geração a ser caracterizada são os Baby boomers (nascidos entre os anos de 1945 e 1964). Seus valores de vida caracterizam-se pelo trabalho, família, moral e amor à pátria. Esta geração cresceu na era da escassez de alimentos, empregos e diálogos. São profissionais com estabilidade em suas atuações ou mesmo fora do mercado de trabalho devido a aposentadoria.

Geração X (nascidos entre 1965 e 1984) preocupa-se com o equilíbrio vida-trabalho, são pessoas flexíveis, apreciam as chefias horizontais e as recompensas organizacionais meritocráticas, são mais leais aos grupos de trabalho do que às organizações. Geração marcada pelos apelos consumistas e que teve contato com inovações tecnológicas. São profissionais que buscam segurança no emprego e podem deixar de lado a qualidade de vida.

Millennials, também chamados de Geração Y (nascidos entre 1985 e 1999) são mais jovens, entrando ou já se introduziram em massa no mercado de trabalho. Eles tendem a ser mais adeptos à tecnologia e mais impacientes. O desafio gerencial está em estabelecer um modelo de gestão flexível e configurável, que atenda às diferentes expectativas desses profissionais.

Geração Z ou nativos digitais (nascidos a partir de 2000) são profissionais que já estão emergindo focados na busca constante de autonomia e tendem a recuar perante qualquer ato de autoridade vertical. São jovens empreendedores, menos focados no dinheiro e mais predispostos a trabalharem de casa. Caracteriza-se por ser uma geração mais ansiosa, proativa e conectada.

Recrutar novos talentos, levando em conta todas as características das gerações exige muito mais do que oferecer um excelente pacote de benefícios ou uma boa remuneração. Os valores da empresa ou proposta que agrega consigo é que são os verdadeiros diferenciais que a destacarão para os profissionais.

O mercado de trabalho pode estar mais competitivo, mas ainda há espaço para todo bom profissional, principalmente na área de Tecnologia da Informação, independentemente da sua geração. O desafio é não deixar que as disparidades limitem as possibilidades.

É um desafio e tanto para o recrutamento, não é mesmo?!

Artigo escrito por: Juliana Aline Cardoso e Silva – Tech Recruiter na G&P