Gartner: mercado mundial de hiperautomação atingirá US$ 600 bi até 2022

O mercado mundial de softwares de hiperautomação deve crescer 23% entre 2020 e 2022, alcançando US$ 596,6 bilhões. É o que revela uma previsão divulgada recentemente pelo Gartner. Esse mercado, que congrega aplicações para uma abordagem de automação massiva, deve alcançar US$ 532,4 bilhões em 2021, e alcançou US$ 481,6 bilhões em 2020.

A consultoria define hiperautomação como uma “abordagem que permite às organizações identificar, examinar e automatizar rapidamente tantos processos quanto possível”. Para isso são usadas tecnologias como automação de processos robóticos (RPA), plataformas de aplicações de baixo-código (low-code), inteligência artificial (IA) e assistentes virtuais.

Outras soluções utilizadas para automatizar tarefas mais específicas, como as plataformas de ERP, supply chain e de CRM, também contribuirão para o crescimento deste mercado, diz o Gartner. Até 2024, a hiperautomação levará empresas a adotarem pelo menos três dos 20 tipos de software agonísticos de gestão de processo que permitem a abordagem.

“A hiperautomação passou de uma opção para uma condição de sobrevivência”, diz Fabrizio Biscotti, vice-presidente de pesquisa do Gartner, em comunicado. “As organizações exigirão mais TI e automação de processos de negócios, uma vez que elas estão sendo forçadas a acelerar os planos de transformação digital no mundo pós-COVID-19.”

Aplicação conjunta

Segundo os analistas do Gartner, as organizações estão saindo de um conjunto de tecnologias de automação para uma estratégia mais conectada, o que tem levado fornecedores a lançarem ofertas combinadas. A categoria de software de hiperautomação com crescimento mais rápido inclui ferramentas que fornecem visibilidade para mapear atividades de negócios, automatizar e gerenciar conteúdo, orquestrar o trabalho em vários sistemas e fornecer mecanismos para gerenciar regras complexas.

Os analistas do Gartner dizem esperar que até 2024 as organizações reduzam os custos operacionais em 30% ao combinar tecnologias de hiperautomação com processos operacionais reprojetados.

Fonte: CIO