Líderes de tecnologia de bancos indicam livros inspiradores

Em meio à pandemia de covid-19, sobretudo nos períodos com maior restrição de serviços, comércios e lazer, o necessário isolamento social para contenção do vírus nos forçou a encontrar novas formas de entretenimento e de ocupação nos momentos livres. A leitura foi a saída para muitos e, mais do que isso, foi fonte de inspiração.

Mas o que os líderes de tecnologia das instituições financeiras estão lendo? Reunimos algumas dicas de livros recomendados por executivos e executivas de bancos brasileiros, que ressaltam o aprendizado que as obras trouxeram para a carreira, bem como a importância para auxiliar a passar pelos desafios impostos pela pandemia, sejam eles pessoais ou profissionais.

“A leitura engrandece a alma”. A frase do escritor francês François-Marie Arouet, mais conhecido pelo pseudônimo Voltaire, resume o quão importante a leitura é para o crescimento, não importa a época. Essa riqueza vai além das fronteiras e transcende aspectos pessoais, profissionais e acadêmicos.

Veja a lista, que vai desde histórias inspiradoras de grandes nomes do empreendedorismo do Vale do Silício, passando por obras focadas em gestão do setor de tecnologia, até autobiografia de um grande esportista.

THIAGO CHARNET, DIRETOR DE TECNOLOGIA DO ITAÚ UNIBANCO

“Accelerate” (Autores: Nicole Forsgren, Jez Humble e Gene Kim)

A primeira indicação de Charnet tem um foco técnico e de gestão na área de tecnologia. Trata-se do “Accelerate: the Science of Lean Software” and “DevOps: Building and Scaling High Performing Technology Organizations” (na tradução livre, Acelerar: a ciência do software enxuto e DevOps: criando e ampliando organizações de tecnologia de alto desempenho).

O executivo comenta que a obra aborda como aplicar a tecnologia para aprimorar a entrega de resultados. Segundo Charnet, o livro traz uma pesquisa riquíssima, que mostra como medir o desempenho e os melhores recursos para serem implementados na carreira. “Por isso, foi muito importante para a área de tecnologia do Itaú em nos ajudar a definir indicadores mais modernos de acompanhamento da evolução da área de tecnologia, avanço na agenda de DevOps e, principalmente, em disseminar o mindset que não existe tradeoffs entre fazer muitas mudanças e qualidade; trouxe muito aprendizado para os executivos de tecnologia do banco, nos últimos dois anos”, destaca.

“The Hard Thing about Hard Things: Building a Business When There Are No Easy Answers” (Autor: Ben Horowitz)

A segunda indicação é de um livro escrito por um dos empreendedores mais experientes do Vale do Silício, Ben Horowitz. Em português, o título da obra é “A coisa difícil sobre as coisas difíceis: construir um negócio quando não há respostas fáceis”. “O texto é excelente e traz dicas para quem deseja empreender. O conteúdo é uma aprendizagem ímpar, com relatos dos reais desafios de se começar um negócio”, comenta o executivo. 

Ainda, Charnet destaca que a obra mostra como podemos aprender e avançar nos desafios das nossas entregas. “O autor mistura humor e rap para ampliar as lições que aprendeu em sua carreira, o que amplia a diversidade das mensagens que queremos passar para os nossos times.”

“Hábitos Atômicos: um Método Fácil e Comprovado de Criar Bons Hábitos e se Livrar dos Maus” (Autor: James Clear)

A terceiro indicação de Charnet é um best-seller do New York Times, que, para o executivo, traz estratégias para criar bons hábitos no dia a dia. “Foi um excelente conteúdo para auxiliar na rotina do trabalho remoto; o texto traz as ferramentas e estratégias para transformar seu método de trabalho e avançar.”

SANTUZA BRETAS, DIRETORA DE TECNOLOGIA DO BANCO DO BRASIL

“Measure What Matters” (Avalie o que Importa) (Autor: John Doerr)

A primeira recomendação de Santuza é a obra do investidor norte-americano John Doerr, que mostra como definir objetivos audaciosos, simples e inspiradores, e obter resultados extraordinários. “Uma história da criação do OKR (Objective Key Results, sistema de definição de metas) por Andy Groove, na Intel, e como o método impulsionou o crescimento da Google, Fundação Gates e da própria Intel”, resume Santuza.

“Durante a pandemia passamos por uma grande mudança na forma de trabalho, com times em home office e imersos em ambiente virtual. Nessa nova realidade, objetivos claros e bem comunicados foram fundamentais para superação dos desafios e unidade dos times para garantir a melhor experiência do cliente em tempos de pandemia e acelerada digitização”, destaca.

“Rebeldes Têm Asas” (Autores: Rony Meisler e Sergio Pugliese)

A outra indicação de Santuza é a obra do CEO e fundador da marca brasileira de moda Reserva, Rony Meisler. Para a executiva, o principal aprendizado é como entender o ramo de atuação e o cenário dos clientes. A partir disso encontrar a melhor forma de atendê-los, com criatividade, fazendo com que o cliente se sinta bem ao entrar na sua loja como se estivesse indo a casa de um amigo. “O empreendedorismo do Rony é algo muito gostoso de ler e aprender”, diz.

“Particularmente pude testar o que o livro explica que fez com as lojas da Reserva indo a uma delas. Fui muito bem atendida, mas o principal: o atendimento foi diferente e especial. Fiquei com vontade de voltar mais vezes; o Rony atingiu o objetivo dele: cliente satisfeito, acolhido e bem atendido.”

Sobre o período de pandemia, a diretora do BB diz que o livro trouxe um novo olhar de tudo e de todos sobre os processos que vivemos, sejam eles pessoais e/ou profissionais. “O relacionamento cliente/empresa mudou muito. Começamos a utilizar novos canais de atendimento. Começamos a dar valor a novas coisas. Por vários momentos lembrei de partes do livro, de como a partir de um obstáculo, Rony criou alternativas criativas para seguir em frente.”

JORGE KRUG, DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E INOVAÇÃO DO BANRISUL

“That Will Never Work” (Isso nunca vai funcionar) (Autor: Marc Randolph)

A indicação de Krug é de um dos maiores nomes do empreendedorismo no mundo: Marc Randolph, cofundador e primeiro CEO da Netflix. A obra mostra a história da criação da Netflix, maior serviço de streaming de filmes no mundo, que começou com uma simples ideia em 1997, de alugar filmes pela internet, e hoje é uma das empresas mais valiosas. “A obra apresenta a Netflix como uma empresa que conduz seu negócio priorizando e concentrando seus esforços em seus aspectos mais fortes, sem perder o foco -e essa orientação de gestão é um importante aprendizado”, destaca Krug.

Para o executivo, o livro traduz uma das histórias empreendedoras mais dramáticas e perspicazes de nosso tempo, sem se perder na parábola de “siga seus sonhos”. “Em um ano tão atípico como o de 2020, a obra nos orienta a revisitar a geração de ideias, a formação de equipes e até mesmo analisar sobre quando é hora de deixar para lá. E isso, em plena pandemia, sem dúvida nos leva a pensar e decidir quais serão nossos próximos passos e quão largos eles poderão e deverão ser”. diz.

LEANDRO MARÇAL, CIO DO BANCO PAN

“Trillion Dollar Coach: The Leadership Playbook of Silicon Valley’s Bill Campbell” (Autores: Eric Schmidt, Jonathan Rosenberg e Alan Eagle)

A indicação de Marçal é sobre mais um nome referência no Vale do Silício. A história do “treinador de 1 trilhão de dólares” Bill Campbell, para Marçal, traz passagens e lições como reafirmar que nós sempre somos melhores em equipes, e como o papel do líder é essencial na criação de resultados extraordinários por meio de times que se sentem valorizados.

“Outro super aprendizado é como o consenso nem sempre é o melhor caminho. Mas que a melhor ideia sempre será a melhor solução. Para chegarmos na melhor ideia, o ideal é que ocorram diversos debates e discordâncias; o fator central disso tudo é a confiança que precisamos ter uns nos outros.”

“Agassi, uma Autobiografia” (Autor: André Agassi)

A segunda recomendação do CIO do Banco PAN é a autobiografia do norte-americano André Agassi, um dos maiores tenistas da história do esporte. O executivo lista algumas reflexões que a obra trouxe. A primeira é quanto a dedicação e prática de algo (mesmo que você não goste do que esteja fazendo) pode te levar à perfeição e fazer com que você tenha enormes conquistas, se você estiver focado e equilibrado. 

A segunda reflexão, conta Marçal, é sobre as pessoas que te acompanham no caminho, a importância delas e como é valioso estar cercado de pessoas que te apoiam e também indicam seus pontos fracos, para você sempre trabalhar em prol de melhorias. “Ter pessoas que se preocupam com você e por esse motivo nunca desistem de acreditar na sua capacidade”.

Por último, ressalta o executivo, a importância de voltar às origens e compartilhar com a sociedade o que você conquistou e aprendeu no caminho, independentemente se você dividirá conhecimento, tempo ou algum recurso financeiro.

RAUL MOREIRA, COORDENADOR DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DO BANCO ORIGINAL

“A Startup Enxuta” (Autor: Eric Ries)

Moreira, do Banco Original, segue a linha de indicações sobre empreendedorismo do Vale do Silício. A obra recomendada é de Eric Ries, reconhecido por ser o criador do movimento Lean Startup, uma nova estratégia de modelo de negócios que direciona as companhias startups a alocar seus recursos de forma mais eficiente. O principal aprendizado, diz Moreira, é mostrar o que é essencial para a inovação e como criar negócios digitais realmente focados no cliente.

Para ajudar no desafiador período de pandemia, Moreira comenta que o livro mostra a importância de focar naquilo que realmente importa no processo de criação de negócios enxutos, bem como em soluções de inclusão financeira e digital da população.

FERNANDO RADUNZ, CIO DO BANCO BS2

“A Seat at the Table: IT Leadership in the Age of Agility” (Assento à mesa: liderança de TI na era da agilidade) (Autor: Mark Schwartz)

A indicação de Radunz é da obra de Mark Schwartz, líder de tecnologia, escritor e palestrante. “O livro traz boas reflexões sobre o novo posicionamento da liderança de tecnologia em um mundo onde tecnologia e negócios estão cada vez mais integrados”, afirma o CIO do BS2.

A respeito das dificuldades no contexto da pandemia, o executivo ressalta que o principal desafio que este último ano nos trouxe, sem dúvida, foi a necessidade de adaptação ao trabalho remoto, especialmente no ponto de vista de interações humanas. “Projetando esse cenário na abordagem que o livro traz, sobre a redefinição do papel da liderança de tecnologia, ele acaba se tornando uma excelente ferramenta para apoio. Traz bons insights sobre o comportamento esperado do time de tecnologia, especialmente sobre agilidade”, destaca.

Fonte: Febraban