Mercado de Infraestrutura de TI cresce no segundo trimestre de 2021

No segundo trimestre de 2021, o mercado de infraestrutura de TI registrou faturamento de mais de U$300 milhões, o que representa um crescimento de 13,5% em relação aos meses de abril, maio e junho do ano passado.

Os dados são parte do estudo Enterprise Infrastructure Q2 2021, realizado pela IDC Brasil, que avalia o desempenho do mercado de soluções de armazenamento, servidores e networking do país. Segundo Karina Silvestre, analista da IDC Brasil, os resultados refletem o movimento das organizações frente aos desafios trazidos pela pandemia.

“Aumentar a produtividade tem sido o ponto de atenção das organizações. As empresas têm buscado consolidar suas infraestruturas de TI para torná-las mais eficientes e unir diferentes capacidades que cada modelo de infraestrutura pode oferecer, sejam modelos tradicionais ou de nuvem”, afirma Karina.

Entre os setores estudados pela IDC Brasil, armazenamento cresceu 11,1%, graças a grandes projetos empenhados anteriormente e finalizados no segundo trimestre. Outro setor que cresceu dois dígitos – alta de 28,5% em relação ao 2º trimestre de 2020 – foi networking, sendo que o segmento de redes de acesso foi o que mais avançou, enfatizando a busca das empresas por soluções que ajudem a suportar uma densidade maior de dispositivos conectados dentro do modelo de trabalho híbrido e remoto.

O setor de servidores, no entanto, sofreu uma retração de 5,2% no mesmo período. De acordo com o estudo da IDC Brasil, isso se deve principalmente à falta de suprimentos. “Na verdade, todos os segmentos do mercado de infraestrutura TI foram impactados pelo problema e sofreram com a falta de equipamentos e atrasos nas entregas. Não fosse isso, os números seriam mais positivos”, analisa Karina.

Terceiro trimestre “tímido”

Segundo a IDC Brasil, o estudo sobre o mercado de infrastrutura do terceiro trimestre já está sendo finalizado, e a expectativa é de números mais tímidos. Os motivos, aponta a empresa, são a variação do dólar e os problemas com a cadeia de suprimentos global de TI.

“As empresas continuam reportando atrasos nas suas entregas, e consequentemente afetando a produção local dos principais fornecedores de infraestrutura. Vemos que o mercado está aquecido, mas pela falta de equipamentos muitos fabricantes tiveram que continuar postergando seus negócios e deve haver backlog nos próximos meses”, adianta Karina.

Fonte: CIO