Governos miram Inteligência Artificial, mas ainda com desconfiança

Estudo da consultoria especializada no setor de Tecnologia da Informação (TI) Gartner indica que 36% dos Chief Information Officers (CIOs) da área governamental em todo o mundo, entrevistados na pesquisa Gartner CIO de 2021, indicaram que planejam aumentar os investimentos em inteligência artificial (IA) e machine learning em 2021.

As tecnologias de chatbots e os agentes de conversação lideram o caminho da adoção de recursos de IA nos governos, com 26% dos entrevistados reportando que já usam estes recursos em seus projetos. E 59% dos CIOs (Chief Information Officer, Diretores de Tecnologia da Informação) do setor público esperam implantar a tecnologia nos próximos três anos, de acordo com a pesquisa Gartner Digital Transformation Divergence Across Government Sectors.

Por outro lado, outra pesquisa do Gartner mostra que tecnologias de IA ainda são vistas com um grau de incerteza, especialmente entre os funcionários de governos os quais nunca trabalharam com nenhuma solução tecnológica apoiada por este tipo de solução. Mais da metade (53%) das pessoas que trabalham no setor público, e que já atuaram com inteligência artificial, acredita que estas tecnologias fornecem insights sobre como fazer um trabalho melhor, enquanto apenas 34% dos funcionários que nunca utilizaram estas ferramentas concordam com esta afirmação.

O diretor sênior de Pesquisa do Gartner, Dean Lacheca, explica que automação, insights e inteligência são todos prioridades interconectadas para líderes governamentais. No entanto, para Lacheca, a força de trabalho operacional e de prestação de serviços é absolutamente crítica para o sucesso de qualquer tentativa para automatizar ou aumentar suas formas de trabalhar. “Líderes podem gerar mais aceiitação ao claramente relacionar a tecnologia a resultados práticos que beneficiam funcionários do governo e apoiam objetivos de missões”, disse.

Insegurança com IA

A pesquisa do Gartner indica ainda que os trabalhadores do setor público continuam inseguros com esta tecnologia: 42% dos funcionários da área governamental que ainda não trabalharam com IA entendem que as aplicações baseadas nesse modelo são caminhos para a execução de seus trabalhos. Mas só 27% dessas mesmas respostas acreditam que a inteligência artificial tem o potencial de substituir diversas tarefas, piorando para 17% quando se trata do que eles consideram ser tarefas habilidosas. 

Entre aqueles que já usaram IA, 31% diz que a adoção destes recursos representa uma ameaça ao trabalho deles –este índice é de 24% entre aqueles que ainda não trabalharam com inteligência artificial. 

“Executivos sênior no setor público devem abordar a apreensão precoce entre os funcionários dos governos mostrando-os como a tecnologia os ajuda a trabalhar. Então continuar a construir a confiança em tecnologia por meio de exposição, usando exemplos e estudos”, completa Lacheca.

Fonte: Febraban