51% das empresas da América Latina que usam IA tiveram lucro com a tecnologia

Mais da metade (51%) das empresas que usam inteligência artificial (IA) na América Latina conseguiu lucrar com o uso da tecnologia, sendo que em 7% delas o retorno financeiro foi considerado elevado, de acordo com o estudo The Cultural Benefits of Artificial Intelligence in the Enterprise, desenvolvido pelo Boston Consulting Group (BCG) e o MIT Sloan Management Review (MIT SMR). Globalmente, 55% registraram lucro e 11% lucro elevado.

A pesquisa revelou que a maior parte das organizações da região estão usando a tecnologia para desenvolver novas maneiras de gerar valor (52%), enquanto 33% focam na melhoria de processos já existentes. Os resultados foram semelhantes no mundo, com 55% e 22%, respectivamente.

Além disso, na América Latina, 71% dos que usam IA relataram que sua implementação melhorou a tomada de decisão dos times, 63% disseram que o trabalho se tornou mais eficiente, 71% sentiram melhoras na aprendizagem coletiva e 61% acreditam que a confiança da equipe melhorou.

“A pesquisa mostrou que, mesmo em um estágio inicial de adoção globalmente, a IA já apresenta resultados financeiros relevantes para os players. Além disso, o retorno que a tecnologia gera está conectado diretamente com a melhoria que a dinâmica das equipes apresentou depois de adotar a tecnologia”, avalia Henrique Sinatura, diretor-executivo e sócio do BCG e líder do BCG GAMMA no Brasil, unidade de IA e ciência de dados da consultoria.

Entre executivos da América Latina, 69% se sentem mais preparados para enfrentar a concorrência com o uso da tecnologia e 66% concordam que estão mais preparados para capturar oportunidades de negócio em outros setores. Globalmente, ambos os números foram de 63%.

Entre os respondentes, 44% afirmam que os dois principais motivos para as pessoas não confiarem no uso da IA corporativa é a falta de entendimento sobre o funcionamento da tecnologia e os poucos treinamentos práticos promovidos pelas empresas. Os respondentes globais acreditam no mesmo – 49% na primeira afirmação e 46% na segunda.

“Primeiro, é preciso capacitar os funcionários e provar para eles que a tecnologia pode ser efetiva para medir KPIs e atingir objetivos importantes do negócio. As pessoas não vão adotar a IA se não confiarem nela – e a aceitação começa com comunicação. Depois, a organização precisa garantir que a solução de IA usada seja boa. Afinal, não existe treinamento bom o suficiente para superar uma ferramenta ruim”, avalia Sinatura.

Fonte: CIO