O que o futuro reserva para o mercado de banco de dados?

Gartner faz previsões e indica que receita de bancos de dados locais deverá diminuir

O Gartner, empresa mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas, prevê que 75% de todos os bancos de dados serão implantados ou migrados para uma plataforma baseada em Nuvem até 2022. Essa tendência será, em grande parte, gerada pelos bancos de dados usados para análise de informações e o modelo de vendas de software como serviço (SaaS).

“De acordo com consultas com clientes do Gartner, as organizações estão desenvolvendo e implantando novas aplicações em Nuvem e movimentando os ativos existentes a um ritmo crescente, e acreditamos que isso continuará aumentando”, diz Donald Feinberg, vice-presidente de Pesquisas do Gartner.

“Acreditamos também que isso começa com sistemas para soluções de gerenciamento de dados para uso em análise (DMSA – de Data Management Solutions For Analytics, em inglês) – como Data Warehousing, repositórios de dados e outros casos de uso para operações analíticas, de Inteligência Artificial (IA) e Aprendizado de Máquina (ML). Cada vez mais, os sistemas operacionais também estão migrando para o ambiente Cloud, especialmente com a conversão para o modelo de serviços, o SaaS”.

A pesquisa do Gartner mostra que a receita do mercado de sistemas de gerenciamento de banco de dados mundial (DBMS – de database management system, em inglês) cresceu 18,4%, atingindo US$ 46 bilhões em 2018. Deste total, o faturamento do setor de Cloud DBMS representa 68% do crescimento como um todo – sendo que a Microsoft e a Amazon Web Services (AWS) respondem por 75,5% do crescimento absoluto do mercado. Essa tendência reforça que as infraestruturas dos provedores de serviços em Nuvem (CSP) e dos serviços executados nestes ambientes estão se tornando a nova plataforma de gerenciamento de dados utilizada pelas empresas.

Os ecossistemas estão se formando em torno de CSPs que integram serviços em um único ponto e fornecem todas as etapas para o gerenciamento de dados entre diversos ambientes em nuvem. Isso é diferente na abordagem local, na qual produtos individuais geralmente atendem a várias funções, mas raramente oferecem seus próprios recursos integrados para oferecer suporte à integração com produtos adjacentes no ambiente de implantação local. Embora haja algum crescimento em sistemas locais, esse crescimento dificilmente é proveniente de novas implantações locais; é geralmente devido a aumentos de preços e upgrades forçados realizados para evitar riscos.

“Em última análise, o que isso mostra é que a proeminência da infraestrutura dos CSPs, suas ofertas nativas e as ofertas de terceiros que são executadas nelas estão garantidas”, diz Feinberg. “Uma recente pesquisa de adoção de serviços em nuvem do Gartner mostrou que, dos clientes que usavam nuvens públicas, 81% estavam utilizando mais de um provedor de serviços. O ecossistema da Computação em nuvem está se expandindo para além do escopo de um único provedor para vários CSPs para a maioria dos consumidores de cloud.”

Fonte: Portal IT Forum 365 - clique aqui e acesse.