Como ter um projeto de nuvem escalável sem impactar seu orçamento

Confira três dicas para aproveitar ao máximo os recursos e benefícios da plataforma em nuvem sem perder o controle dos custos.

A melhor coisa em usar a nuvem é que você pode expandi-la praticamente ao infinito. Mas isso não deveria significar que seus custos para uma implantação de nuvem são igualmente ilimitados. Muitas empresas, de grande e pequeno porte, começam com o que parece uma implantação de nuvem de preço bastante acessível, apenas para verem os custos aumentarem, pouco a pouco, até atingirem níveis insustentáveis.

Aqui está como impedir que isso aconteça com a sua empresa.

1. Monitore o uso da nuvem

“Você precisa de gerenciamento e de monitoramento do serviço”, diz Dave Goodman, diretor de estratégia digital na empresa de pesquisa e consultoria de tecnologia do Information Services Group. Se, por exemplo, você monitorar um servidor que hospeda um determinado aplicativo por 45 dias e a utilização nunca ultrapassar 20% da capacidade, você pode mudar para um servidor menor. Da mesma forma, como um exemplo, você pode definir um alerta se a utilização ultrapassar 70%, o que permite adicionar capacidade conforme a necessidade.

2. Use ferramentas de otimização para controlar o uso da nuvem em sua empresa inteira

“A nuvem é muito fácil de consumir e isso também pode ser uma coisa muito boa”, diz Chris Ortbals, Vice-presidente Executivo de Produto e Marketing no provedor de data center QTS. Em uma empresa de grande porte típica, acrescenta, a equipe de TI pode fornecer ou usar serviços de nuvem, mas as pessoas no departamento de Marketing e outros também podem ter ativado sua própria implantação de nuvem, pagando por ela fora do orçamento do TI. E ela não pode ser desprovisionada quando o departamento de Marketing não precisar mais dela.

Para lidar com esse problema, use uma ferramenta de otimização de custo para dizer se você está pagando por servidores ou capacidade que não está usando em sua empresa.

3. Não pague por mais redundância do que precisa

“Há empresas petrolíferas calculando dados sísmicos”, diz Marty Puranik, fundador da Atlantic.net. “Elas carregam as máquinas calculadoras que usam e enviam os resultados a um banco de dados altamente disponível. E não se importam realmente se as máquinas que fazem os cálculos ficarem inoperantes, porque os dados ficam no banco de dados e elas podem simplesmente usar outra.”

Aquelas calculadoras são um exemplo perfeito de uma função de computação em nuvem que não precisa de sistemas de failover e de recuperação de desastre. Mas elas podem obter aquela proteção de qualquer forma, devido à proliferação da nuvem. “Pode haver uma tendência de as pessoas da empresa começarem a expandir coisas que não precisam de expansão e de transformá-las em horas cobráveis”, observa Puranik. “É muito fácil deixar os custos saírem do controle com ferramentas de monitoramento, de failover e de redundância. Começa com um projeto que se torna muito maior e impossível de gerenciar.”

Portanto, certifique-se de saber quanto pode gastar, de que tipo de proteção é necessária para quais dados e que dados e processos não precisam de tanta proteção. Caso contrário, alerta Puranik, você pode acabar gastando uma soma enorme para ganhar uma fração de uma porcentagem de melhoria de desempenho. “Isso pode seguir até o orçamento acabar.”

Como a G&P pode ajudar a sua área de TI?

A transformação para a nuvem está acontecendo agora — e está ficando cada vez mais fácil. A adoção da nuvem não é mais uma questão de por que — mas quando e como. A G&P é uma das maiores implementadoras de Soluções, Serviços Gerenciados e Projetos em Tecnologia Oracle.Ao longo de vários anos de experiência na Implementação e Gestão dessas soluções, conta com uma equipe composta por arquitetos e implementadores de alto nível de conhecimento.

Dê o próximo passo de sua jornada para a nuvem conosco!

Confira as nossas soluções clicando aqui.

Gostaria de mais detalhes sobre como podemos ajudar a sua empresa? Entre em contato conosco.

Artigo escrito por: Minda Zetlin

Coautora, com Bill Pfleging, de “The Geek Gap: Why Business and Technology Professionals Don’t Understand Each Other and Why They Need Each Other to Survive” (Prometheus Books, 2006). 

Posts Relacionados